sexta-feira, 22 de março de 2013

Primeiras palavras - Memórias


                                                 

PALAVRAS INICIAIS

Os textos que se seguem, acessíveis pelo título Memórias, foram escritos há aproximadamente cinco anos. Eles são testemunhos dos meus estágios de amadurecimento intelectual, espiritual e emocional. Conquanto eu os tenha revisitado a fim de modificá-los num ou noutro ponto, no essencial, eles conservam as proposições e crenças que me pareceram verdadeiras e válidas naquela época. Disso se segue que não, necessariamente, estou de acordo, atualmente, com todas as ideias que defendi neles. Equívocos no modo como articulamos nossas concepções e crenças, no modo como elaboramos o edifício de nossas ideias e conhecimentos são parte deste trabalho laborioso, mas gratificante, que é pensar. Quem se permite pensar precisa lidar com os equívocos. Se eles foram consequências de nossa ousadia, de nosso esforço na tentativa de compreender a realidade, creio que eles podem muito bem coexistir com as ideias mais acertadas. Se eles não forem sinais de nossa superficialidade e displicência intelectual na abordagem dos temas, então poderão eles servir para instaurar espaços para a revisão crítica e para o diálogo edificante.
Desde aquele tempo até então, muitos e muitos livros foram devorados por meu espírito ávido de conhecimento. Certamente, se eu viesse a me ocupar com as questões sobre as quais me debrucei naquela época novamente, muitas das quais são expressão estes textos, minhas posições provavelmente seriam outras, ou, ao menos, um pouco diferentes do que foram.
Feitas estas ressalvas, o que estes textos revelam é minha obstinação no tratamento de questões que dizem respeito às formas de relacionamentos da nossa modernidade líquida (termo que tomo a Zygmunt Bauman). Essa minha pertinácia era uma forma que encontrei de, pelo  exercício do pensamento reflexivo, não me afundar no desespero quando me apercebia de minha condição como sujeito social deslocado, que sempre resistiu aos padrões de relacionamentos descartáveis, à busca pelos prazeres imediatos submetidos ao imperativo da libido.